Mundo

Em seminário, EUA sugerem 'descolonizar a Rússia'; especialista fala em 'hipocrisia' e 'cinismo'

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report







O seminário on-line chamado “Descolonizando a Rússia, um imperativo moral e estratégico” é uma iniciativa da Comissão de Segurança e Cooperação na Europa, organismo sob o controle de Washington. Seu briefing chamou a atenção de especialistas em relações internacionais ao afirmar que “discussões sérias” sobre a necessidade de “descolonizar” a Rússia estão em andamento.
A publicação acrescenta que para que Moscou seja “parte viável na segurança e estabilidade” europeia, seria preciso discutir de maneira apropriada supostas tendências imperialistas do Kremlin. Em declarações à Sputnik Brasil, o professor André Augusto da Fonseca, doutor em história social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e Vinícius Guilherme Rodrigues, doutor em relações internacionais pelo Nuffield College, da Universidade de Oxford, avaliaram o controverso evento.
No fim desta semana, uma comissão do governo dos EUA sediará um evento intitulado “Descolonizando a Rússia: um imperativo moral e estratégico”. A premissa declarada é que a “descolonização” da Rússia é necessária “para que ela se torne uma parte interessada viável na segurança e estabilidade europeias”.
O professor André Augusto da Fonseca avalia que “para termos uma dimensão da hipocrisia do documento, é preciso tomarmos uma perspectiva histórica“. Ele explicou que o Estado militarista dos EUA, principalmente após a queda da União Soviética, “se outorgou uma licença ilimitada para promover bloqueios, invasões, bombardeios e desestabilização em todo o planeta, de forma unilateral”, sendo que suas repetidas intervenções no Oriente Médio “tornaram o mundo muito mais inseguro“.
Panorama internacional

‘Não peço desculpas’: Biden diz que não ‘voltará atrás’ em seus comentários sobre Putin

O especialista entende que depois de 1991 o mundo experimentou “uma política imperial francamente unilateral, secundada pela OTAN [Organização do Tratado do Atlântico Norte]. A destruição da Somália, do Iraque, da Síria, do Líbano, do Haiti e da Líbia, assim como o bloqueio a Cuba e Venezuela, foram feitos sob o pretexto de violações de direitos humanos“.

“Portanto, a quantidade ou a gravidade das violações de direitos humanos nunca foi um critério para as sanções, as invasões e os bloqueios promovidos pelos EUA e seus aliados. Da mesma forma, as violações em massa cometidas pelos EUA contra seus próprios cidadãos negros e latinos raramente foram objetos de escrutínio da comunidade internacional”, comentou.

A Rússia será descolonizada?

Embora não especifique como seria a descolonização da Rússia em seu briefing, a Comissão de Helsinque afirma que as discussões sobre o assunto ocorrem em razão do “domínio de Moscou sobre muitas nações indígenas não russas” e da “extensão brutal que o Kremlin tomou para suprimir sua autoexpressão e autodeterminação nacional”. O documento, em síntese, afirma que povos na Rússia precisariam ser, de alguma forma, emancipados.
Vladimir Putin, presidente da Rússia, em coletiva de imprensa após encontro com o presidente da França, Emmanuel Macron, em Moscou - Sputnik Brasil, 1920, 12.04.2022

Panorama internacional

Putin: não tenho dúvidas de que a missão da operação na Ucrânia será cumprida

Vinícius Guilherme Rodrigues revelou estar surpreso com o caráter do evento, “pois até mesmo o termo é inadequado, dado que parte do princípio de que eles querem retirar forças externas da Rússia. Quais seriam essas forças?”, questionou. Segundo ele, seminários como esse visam “estimular o separatismo em território russo“, embora ele acredite que seria “inviável promover uma descolonização, pois esses povos estão integrados à Rússia“.
Segundo o analista, há interesse dos EUA em se esquivar das falhas na política de sanções que prolonga o atual conflito na Ucrânia. “Tem que haver negociação, e não promover instabilidade nos mercados”, comentou. Ele ainda criticou a tomada de ativos da Rússia pelos países ocidentais e disse que as cadeias globais estão se regionalizando, resultando em uma nova organização geopolítica.
Para Rodrigues, o mundo após o conflito na Ucrânia será fragmentado, com dois blocos, um centrado no dólar e no euro e outro centrado na China e na Rússia. Ao redor desses blocos, “potências regionais vão atuar como Estados-pivô, como Brasil e Índia”.
André Augusto da Fonseca apontou, por sua vez, que há muitos fatores que atuam contra a segurança e a estabilidade internacionais, dentro e fora da Europa, como “grupos extremistas de direita, ultranacionalistas, supremacistas raciais e neonazistas”, constituindo uma ameaça cada vez mais séria em vários países, não apenas na Ucrânia, Rússia, Hungria, Alemanha, Áustria e Espanha, mas também nos EUA e Índia.

© AP Photo / Noah BergerMembros dos Proud Boys marcham pela ponte Hawthorne durante uma manifestação sob o lema “End Domestic Terrorism” (Pare o Turismo Doméstico), em Portland

Membros dos Proud Boys marcham pela ponte Hawthorne durante uma manifestação sob o lema End Domestic Terrorism (Pare Turismo Doméstico), em Portland - Sputnik Brasil, 1920, 23.06.2022

Membros dos Proud Boys marcham pela ponte Hawthorne durante uma manifestação sob o lema “End Domestic Terrorism” (Pare o Turismo Doméstico), em Portland. Foto de arquivo
Para ele, a pergunta que se deve fazer “é sobre o que traria mais segurança, estabilidade e proteção aos direitos humanos: a expansão cada vez mais agressiva da OTAN e o enfraquecimento deliberado da Rússia ou a integração energética cada vez maior que estava ocorrendo entre Rússia e Europa (levando a maiores compromissos, interesses recíprocos e confiança mútua)?”.
Questionado sobre de que forma o governo norte-americano poderia promover essa “descolonização” russa, o especialista explicou que o próprio documento “já é uma ameaça de que campanhas de desestabilização poderão ser patrocinadas pelos EUA, com suas agências que atuam ‘em nome da liberdade e da democracia’ — jamais em ditaduras aliadas, como Egito ou Arábia Saudita, mas apenas em países cujos governos atrapalham objetivos imperiais“.
Segundo ele, “os EUA e alguns de seus sócios na OTAN entram hoje em um jogo perigoso com um discurso ‘anticolonialista’ tão obviamente cínico e instrumental. Até hoje temos uma colônia europeia aqui em nossa fronteira setentrional, a Guiana Francesa”, comentou. Para ele, “a revisão de fronteiras na Europa é uma loucura que não terá fim”, porque Polônia, Hungria, Romênia e Espanha, todos membros da OTAN, e Ucrânia “têm minorias nacionais e étnicas dentro dos seus territórios e estão sujeitos a questionamentos e reivindicações territoriais“.

EUA como agente de instabilidade global

Vinícius Guilherme Rodrigues entende que a questão sobre a autodeterminação dos povos sempre foi complicada. “Claramente a autodeterminação dos povos do Leste Europeu foi cercada pela União Soviética durante a Guerra Fria. Assim como a América Latina também teve sua soberania violada, basta lembrar dos inúmeros golpes de Estado na região durante o mesmo período”, apontou.
Falando sobre lawfare (que significa o uso indevido dos recursos jurídicos para fins de perseguição política), Vinícius Guilherme Rodrigues disse que o Departamento de Justiça dos EUA promove investigações contra empresas com matriz em potências emergentes para controlar países. Entretanto, em sua opinião, essa é uma prática das grandes potências, que tendem a exercer seus interesses sobre países vizinhos: “As grandes potências, e não só os EUA, tendem a fomentar separatismo quando lhes é interessante“.
Rodrigues explicou que “não concorda com o que se passa na Ucrânia, mas também há soluções do Ocidente que não refletem o interesse do Ocidente, pois não são apenas russos e ucranianos que acabam prejudicados, como o mundo todo. Sanções que se passam no coração do sistema impactam os países mais fracos. É uma irresponsabilidade dos EUA e da Europa persistir com as sanções“. Para ele, “qualquer solução na Europa deve levar em conta os interesses dos pequenos países, o multilateralismo, e isso está em falta de todos os lados“.
USS Kidd, destróier de mísseis guiados da classe Arleigh Burke, e Munro, navio da Guarda Costeira dos EUA, transitam pelo estreito de Taiwan em 27 de agosto de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 15.06.2022

Panorama internacional

Após avisos da China, EUA chamam estreito de Taiwan de ‘hidrovia internacional’

André Augusto da Fonseca, por sua vez, lembrou que campanhas de desestabilização política são feitas pelos EUA há muitos anos, em diversos continentes, e essa arma “os EUA não hesitam em usar contra a China”. Ele explicou que as questões do Tibete e dos uigures sempre são pontos trazidos pelos EUA, sem esquecer de Taiwan, que Pequim considera uma “província rebelde” desde 1949.
Ele disse que problemas sérios de direitos humanos existem na China, na Rússia, no Brasil ou mesmo nos EUA, e, na sua avaliação, “é evidente que uma China integrada e protagonista no comércio e nas finanças internacionais não teria nenhum interesse em desfechar uma aventura militar de retomada de Taiwan. Porém o jogo de vale-tudo e provocação dos EUA, isolando e pressionando a China, pode colocar tudo a perder”.
Para um país que ergue com tanto afinco a bandeira dos diretos humanos, a postura dos EUA é, na visão do professor, “um dos maiores desserviços à causa dos direitos humanos, por transformá-la em um instrumento completamente cínico de objetivos imperiais”. Ele cita, nesse sentido, bombardeios recorrentes contra hospitais e fábricas de medicamentos, como no Sudão, e a operação para matar Osama bin Laden, que usou uma falsa campanha de vacinação dentro do Paquistão.
Além disso, disse ele, é preciso levar em conta que “a brutal e obstinada campanha para extraditar [Julian] Assange mostra que os EUA não têm um pingo de respeito pela liberdade de imprensa” e mostra um país que não se credencia a mediar nenhum conflito. Sobre o atual momento na Ucrânia, ele ressaltou que o regime político ucraniano, desde a Euromaidan e principalmente depois de banir partidos de oposição, “está longe de ser um modelo democrático“, criticando, por outro lado, a operação militar russa na Ucrânia.
Militares ucranianos junto de obuseiro M777 de 155 mm fornecidos pelos EUA - Sputnik Brasil, 1920, 23.06.2022

Panorama internacional

MD russo: tropas de mísseis e artilharia atingem pelotão de obuseiros dos EUA das forças ucranianas





Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.