Mundo

'Casamento de conveniências'? Entenda 'cúpula' de Biden e Bolsonaro e futuro dos EUA nas Américas

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report







O subsecretário do Departamento de Estado dos EUA Jose W. Fernandez descreveu a relação entre os EUA e a América Latina como um casamento, em que nem tudo é perfeito, mas as partes moram na mesma casa, compartilham interesses, problemas, e desfrutam de um “diálogo único”, que não têm com mais ninguém no mundo.
O entendimento norte-americano acerca de seus parceiros na América Latina é historicamente enviesado. Enquanto Fernandez relativizou recentes embates com países do continente, a maioria dos chefes de Estado que foram à Cúpula das Américas de alguma forma criticou o evento organizado por Joe Biden.
As razões são inúmeras. O “diálogo único” citado pelo subsecretário, por exemplo, não existia até esta semana em se tratando de Biden e Jair Bolsonaro, os maiores líderes políticos e econômicos da região.
Para o professor de relações internacionais Marcos Cordeiro Pires, da Universidade Estadual Paulista em Marília (Unesp), em nenhuma das oito edições anteriores foram vistos avanços significativos que pudessem mudar a qualidade do relacionamento entre os EUA e os países latino-americanos e caribenhos.

“A Cúpula do Panamá, em 2015, parecia ser um alento para a superação do clima de guerra fria que continua a influenciar o relacionamento entre a América Latina e o governo de Washington”, disse o especialista, lembrando da aproximação do ex-presidente americano Barack Obama com Raúl Castro, ex-presidente de Cuba. “Mas isso durou pouco”, lamentou.

© AP Photo / Marcio Jose SanchezO presidente Jair Bolsonaro discursou na Cúpula das Américas em 10 de junho de 2022

O presidente Jair Bolsonaro discursou na Cúpula das Américas em 10 de junho de 2022. Foto de arquivo
Por isso, Pires é reticente ao avaliar o plano nomeado de Parceria das Américas para a Prosperidade Econômica, recém-anunciado por Joe Biden, nesta quinta-feira (9), durante a cúpula. Segundo ele, a iniciativa pode ser mais uma na lista de projetos que não saíram do papel, como a Aliança para o Progresso, a América Cresce e a Build Back Better World (B3W).
“Resta esperar para se saber sobre o futuro dessa proposta. O histórico de fracassos pesa muito”, disse.
O especialista também levanta dúvidas com relação à eventual eficácia da política para imigração de Biden, chamada pelo presidente de Declaração de Los Angeles. Para ele, a ausência no evento de líderes de países como Guatemala, El Salvador e Honduras, de onde parte o maior contingente de imigrantes ilegais, já não é um bom indício.

“Sem combater as causas da imigração, como o desemprego, a miséria e a violência armada, não se pode esperar que o desespero que angustia os imigrantes tenha um bom termo. Neste momento, uma nova caravana com milhares de pessoas cruza o México com destino à fronteira. Os Estados Unidos não têm nada a oferecer senão o aumento da repressão”, apontou.

Biden x Bolsonaro

Os episódios de animosidades entre Joe Biden e Jair Bolsonaro foram recorrentes nos últimos anos, mas é inegável que o encontro bilateral, ao longo da Cúpula das Américas, foi fundamental para minimizar as diferenças entre os dois, principalmente em função do desgaste político do presidente americano na América Latina.

© Foto / Alan Santos / Palácio do Planalto / CCBY 2.0Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante encontro com o presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, em 9 de junho de 2022

Presidente da República Jair Bolsonaro, durante encontro com o Presidente dos Estados Unidos da América, Senhor Joe Biden, 9 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 11.06.2022

Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, durante encontro com o presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, em 9 de junho de 2022. Foto de arquivo
Segundo Pires, o encontro foi conveniente para ambos os lados. De um lado, o presidente dos Estados Unidos “conseguiu salvar o encontro” frente ao esvaziamento provocado pela recusa de Lopez Obrador em participar devido à ausência de Cuba, Venezuela e Nicarágua, que não foram convidadas, em sua avaliação. Do outro, ele acrescenta, o fato de Bolsonaro aparecer em foto ao lado do presidente dos Estados Unidos “o ajuda a superar o isolamento internacional em que se encontra”.
Apesar disso, o especialista avalia que não há “resultado palpável” para nenhum dos dois. Pires ressalta que, nem o governo Bolsonaro obteve concessões na área de comércio, nem Biden terá garantias reais de avanços na defesa da integridade da floresta amazônica e de seus habitantes.

“Fica a questão de se saber como esta reaproximação afetará a posição dos Estados Unidos frente às ameaças de Bolsonaro em não reconhecer os resultados das próximas eleições caso não seja reeleito. Ter ou não o aval do Departamento de Estado para eventuais rupturas institucionais é sempre um selo de grande utilidade, tal como vimos em Honduras, Paraguai e Bolívia”, afirmou.

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, à esquerda, se encontra com o presidente Joe Biden, dos EUA, durante a Cúpula das Américas, em 9 de junho de 2022, em Los Angeles - Sputnik Brasil, 1920, 09.06.2022

Notícias do Brasil

Brasil preserva ‘muito bem’ a Amazônia, diz Bolsonaro a Biden na Cúpula das Américas

‘Estados democráticos’?

Foram muitas controvérsias ao longo do evento. O governo de Joe Biden quis convidar apenas “Estados democráticos”, sendo que Nicarágua, Venezuela e Cuba ficaram de fora. Em resposta, o presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, declarou que só viajaria para a Califórnia se todos os países do Hemisfério Sul fossem convocados. Bolívia, Honduras e algumas nações do Caribe aderiram, igualmente anunciando sua ausência.
A ofensiva diplomática norte-americana teve pouco sucesso com a realização da Cúpula das Américas. Jair Bolsonaro anunciou que só viajaria para os EUA mediante algumas benesses, como um encontro pessoal com Biden, no qual o presidente dos EUA não criticaria abertamente o chefe de Estado brasileiro e sua política ambiental.
O presidente venezuelano Nicolás Maduro participa de uma coletiva de imprensa após seu encontro com o presidente da Turquia em Ancara, 8 de junho de 2022 - Sputnik Brasil, 1920, 09.06.2022

Panorama internacional

O que Maduro está procurando na Turquia e como isso pode se refletir no mundo multipolar?

Em um dos discursos mais comentados do encontro em Los Angeles, Alberto Fernández não poupou o presidente Joe Biden e a política externa dos EUA de críticas. O presidente argentino fez um dos discursos mais duros, e defendeu Cuba, Venezuela e Nicarágua, dizendo a Joe Biden que “o país anfitrião não tem direito de rejeitar países“.
O fato é que os EUA têm pouco a oferecer ao continente, e seus acenos ao longo das reuniões da Cúpula deixam isso evidente. Há pouca contribuição ou solução para os assuntos mais prementes da América Latina: migração, comércio e pobreza crescente. Dono de política migratória restritiva, Biden preferiu não desagradar seus eleitores a propor soluções para um continente em crise, ainda em processo de recuperação após dois anos de pandemia.
Enquanto os EUA fecham as portas, a China penetra cada vez mais na América Latina. A Argentina, por exemplo, acaba de se tornar a mais nova parceira dos chineses em sua Iniciativa da Nova Rota da Seda, passando a ser o 20º país da região vinculado ao acordo em troca de investimentos, créditos e acesso a mercados. Dos grandes da América Latina, agora só o México, Brasil e Colômbia não estão comprometidos com a China.
Presidente da Argentina, Alberto Fernández, apela a apoiadores em Buenos Aires, Argentina, 17 de novembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 10.06.2022

Panorama internacional

Na Cúpula, presidente da Argentina faz duras críticas a Joe Biden e à política externa dos EUA

Ao mesmo tempo, o conflito na Ucrânia valoriza a América do Sul como fornecedora de matéria-prima e energia, com seus países pretendendo permanecer neutros entre os blocos de poder mundial.
No caso das relações com a Rússia, para o professor da Unesp, não seria palpável os EUA acreditarem ser capazes de afastar Brasília de Moscou, principalmente devido à dependência do fornecimento de fertilizantes russo e belarusso.

“Vale considerar que o interesse em apartar o Brasil da Rússia ficou evidente nos primeiros dias da operação especial na Ucrânia, quando o secretário de Estado Antony Blinken pressionou o ministro Carlos França com vistas a um alinhamento no Conselho de Segurança da ONU para condenar a Rússia”, afirmou.

O especialista lembra que, apesar de o Brasil ter se posicionado contra o conflito, o governo brasileiro não tomou parte nas inúmeras sanções econômicas impostas a Moscou.
“Nesse aspecto, vale a pena prestar atenção na próxima cúpula dos BRICS, pois se verifica uma maior integração entre os cinco países do bloco, algo que pode reverter o esvaziamento político dos últimos três anos”, ressaltou.
Da esquerda para a direita: Xi Jinping, presidente da China; Vladimir Putin, presidente da Rússia; Jair Bolsonaro (sentado), presidente do Brasil; Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia; e Cyril Ramaphosa, presidente da África do Sul. Líderes do BRICS se reuniram no Palácio do Itamaraty, em Brasília, Brasil, 14 de novembro de 2019 - Sputnik Brasil, 1920, 10.06.2022

Notícias do Brasil

Exportações entre países do BRICS totalizaram R$ 2,24 trilhões em 2021, diz governo brasileiro

Compromissos ‘verdes’ ou ‘genéricos’?

Embora o presidente dos Estados Unidos tenha apresentado na quinta-feira (9) uma série de medidas para enfrentar a crise climática, criar empregos verdes e reforçar a segurança energética, a agenda foi descrita pelo jornal El País como “abundantes compromissos genéricos“.
Outros tratados também foram apresentados, como o compromisso norte-americano na luta contra o desmatamento e o anúncio de uma contribuição de US$ 12 milhões (R$ 58,6 milhões) para Brasil, Colômbia e Peru em defesa da Amazônia. Uma iniciativa para reduzir o desmatamento associado à exploração madeireira e de matérias-primas e as emissões de gases de efeito estufa relacionadas às cadeias de suprimentos agrícolas.
Já Kamala Harris, vice de Biden, lançou uma aliança dos EUA com países do Caribe para enfrentar a crise climática. Washington coordenará esforços (estimados em R$ 239 bilhões) de diversos bancos regionais de desenvolvimento para fazer os investimentos necessários ao enfrentamento do desafio climático na região.
O acesso ao financiamento será facilitado para os países que enfrentam desastres climáticos, como furacões, enchentes e crises em geral que causam grandes ondas de migração. Um esforço considerado pequeno para o país que, em 2018, na Cúpula das Américas sediada no Peru, “esqueceu” de enviar o seu principal representante, o então presidente Donald Trump.
Manifestantes protestam contra o desmatamento da Amazônia na frente da Embaixada do Brasil em Londres, Inglaterra, 23 de agosto de 2019 (foto de arquivo) - Sputnik Brasil, 1920, 09.06.2022

Notícias do Brasil

Mídia: na Cúpula das Américas, EUA oferecem ao Brasil quantia ‘modesta’ para combate ao desmatamento

Os sinais de que o interesse de Washington na região estão diminuindo acumularam-se ao longo dos anos, com cada vez mais líderes criticando abertamente a política externa norte-americana.
Por isso, para o professor de relações internacionais, o envio de um emissário americano para negociar a participação de Bolsonaro no encontro foi importante para preparar o terreno para o governante brasileiro na Cúpula de Los Angeles.

“O relacionamento pessoal entre Biden e Bolsonaro estava desgastado por conta das posições do presidente brasileiro com relação às eleições de 2020 e o seu declarado apoio à Donald Trump. Adicionalmente, as posições ideológicas de Bolsonaro o colocam no polo oposto às percepções políticas e ideológicas de amplos setores do Partido Democrata”, pontuou o especialista.

Diferenças de discursos sobre direitos humanos, planejamento familiar, equidade étnica e de gênero e defesa do meio ambiente, por exemplo, “criaram uma brecha de 180 graus entre o dirigente brasileiro e a elite que está no poder em Washington”, segundo Pires.
Pelo lado brasileiro, a diplomacia dos Estados Unidos cumpriu a promessa de não criar embaraços à comitiva de Bolsonaro, aponta o especialista. Já para os americanos, ele avalia que o encontro foi útil para gerar um “contraponto de direita” às visões de governos de centro-esquerda da Argentina, do México, do Chile, do Peru, dentre outros.
“Os Estados Unidos têm o governo brasileiro como aliado para fustigar os governos de Cuba, Venezuela e Nicarágua. Utilizando a metáfora de Bolsonaro, o seu encontro com Biden foi um ‘casamento de conveniências'”, disse.
Mapa da América Latina - Sputnik Brasil, 1920, 08.06.2022

Panorama internacional

Rússia desenvolve mecanismos financeiros alternativos com países da América Latina



Este conteúdo foi verificado por RJ-2309 RJ-0292 RJ-0958

CMIO confirmou esta notícia. Fonte;

Via Sputnik News- IMG Autor

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.