Manchetes

Osasco e a Dengue: Quanto custa o Fumacê?

Osasco investiu pesadamente em contratação de agentes para a prevenção pouco antes do surto de dengue nas diversas regiões do país. Infelizmente, o número de casos da doença já é o maior da história de Osasco, levantando uma grande questão: Prevenção aconteceu, mas cadê ações ostensivas como o fumacê?

Para se ter uma ideia de como é se obtém os materiais para realizar ciclos contra o mosquito e a larva, em diversas cidades brasileiras condomínios particulares (incluindo associações de bairro) contratam comumente empresas especializadas ao custo módico de R$1.500 o ciclo (equivalente ao tamanho de um bairro médio). Segundo especialistas, cerca de cinco ciclos resolvem grande parte do problema em um determinado bairro.

Levando em consideração o espaço total de Osasco, de cerca de 62km², precisaríamos de uma quantidade reduzida de fumacês para cobrir os bairros mais afetados, gastando muitas vezes menos com, por exemplo, custos hospitalares.

Não é necessário ser especialista para entender que o uso de técnicas ostensivas para combate ao Aedes é fundamental.

E, por qual razão ainda não vemos fumacês nas ruas de Osasco?

-Para essa questão, ainda estamos apurando.

 

 

Entenda o Caso – Perguntas e respostas;

Como isso aconteceu?

A estratégia mais barata para contornar a Dengue é a conscientização, bastante eficiente em locais onde a maior incidência de focos (acima de 80%) é em propriedades privadas. No entanto, é absolutamente ineficiente em locais onde a maior incidência ocorre em áreas públicas (quando a porcentagem é superior a 20% nesses locais).

A Prefeitura de Osasco, assim como diversos municípios, adotou a estratégia de 'prevenção' como a única indicada, ignorando as características distintas de cada bairro; Essa linha de atuação não foi suficiente para locais onde a maior incidência de infestação acontece em terrenos baldios, galpões abandonados, linhas férreas, largos de rios, acumulos em vegetação nativa, praças e parques (como, por exemplo, o bairro de Presidente Altino).

Nenhum carro pulverizador ou larvicida foi utilizado nem mesmo nos bairros onde, de forma óbvia, poderia sofrer com os transtornos; A política adotada pela Prefeitura do Município de Osasco foi equivocada, limitando-se à prevenção e não atuando ostensivamente.

 

O barato sai caro;

O Ministério da Saúde adotou um tom enfático sobre a atuação de algumas prefeituras (incluindo Osasco) que decidiram economizar com larvicidas, caminhões pulverizadores e pessoal ostensivo. Segundo o Ministério, cerca de 100 milhões de reais deverão ser destinados de forma emergencial para diversas regiões do país para auxiliar no tratamento das vítimas e contenção do surto. Assim como Osasco, diversos outros municípios incorreram no mesmo erro.

 

Coletivo de Mídia Independente de Osasco

Mostrar mais

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.