Direitos

Baleia-jubarte perde a barbatana após ficar enroscada em rede de pesca

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report







Uma baleia-jubarte juvenil foi vista na Antártida enredada em artes de pesca, levando a pedidos de conservacionistas por melhores proteções ao longo dos corredores de migração. O avistamento foi feito por cientistas a bordo do Crystal Endeavour ocorreu no porto de Mikkelsen, na ilha Trinity, no lado oeste da península antártica.

O candidato a doutorado da Universidade da Califórnia em Santa Cruz, Logan Pallin, e a Dra. Natalia Botero-Acosta, do programa colombiano da Antártida, abordaram a pequena baleia para fazer uma biópsia de pele para ajudar a determinar sua origem genética, sexo, níveis de cortisol e dieta.

Pallin notou que a barbatana dorsal da baleia estava faltando, e estava arrastando equipamentos de pesca e várias bóias que se enrolaram em torno da cauda, a qual estava causando escoriações e cortes na pele.

A idade da baleia é desconhecida, mas estima-se que seja de cerca de 18 meses. Como provavelmente foi em sua primeira migração, provavelmente carregou o equipamento por milhares de quilômetros pela costa sul-americana. Foi visto pela última vez trabalhando para nadar e é considerado improvável que sobreviva.

Com o número de baleias-jubarte agora se recuperando após serem dizimadas pela caça e as mudanças climáticas afetando a disponibilidade de alimentos, os animais estão se movendo cada vez mais por áreas com níveis mais altos de atividade humana.

Simon Miller, especialista em pesca da Australian Marine Conservation Society, diz que era difícil dizer que tipo de rede havia enredado a baleia e se estava ativa ou uma “rede fantasma” que havia sido abandonada, quebrada ou solta.

“Se elas ficarem presas em uma rede como esta jovem, estarão efetivamente arrastando uma âncora atrás delas, o que significa um fim prematuro, a menos que sejam libertadas”, comenda Miller.

Embora seja possível cortar as artes de pesca, o processo requer equipamentos especializados e equipes treinadas, pois a manobra é perigosa tanto para quem executa a tarefa quanto para a baleia. Estes geralmente não estão disponíveis na Antártida.

Um relatório do emaranhamento circulou para outras embarcações na área em um esforço para monitorar a baleia, mas o professor Ari Friedlaender, do departamento de ciências oceânicas da Universidade da Califórnia em Santa Cruz, diz que é necessário fazer mais para impedir uma repetição no futuro.

“Minha esperança é que quanto mais esse tipo de situação for trazido à tona, mais pode ser feito para minimizar que essas interações aconteçam”, diz ele. “Porque ninguém quer ver baleias sendo prejudicadas assim, ninguém quer ver pessoas que pescam tendo seus meios de subsistência arrancados também.”

Friedlaender diz que os emaranhados podem ser reduzidos com modificações nas artes de pesca para torná-las menos propensas a serem capturadas, emaranhadas e arrastadas e mais informações para os pescadores para melhorar o tempo das operações.

Miller disse que o incidente mostra os “impactos de alcance vasto, como a pesca pode ter sobre espécies ameaçadas”.

“O emaranhamento de baleias pode ser evitado até certo ponto, não colocando equipamentos de pesca de alto risco, como potes de lagosta com longas cordas ou redes de emalhar nas áreas pelas quais as jubartes são conhecidas por migrar e se reunir”, comenta Miller.

“Como os padrões e horários de migração das jubartes são regulares, os pescadores devem saber onde e quando não colocar suas redes.”





Notícia Verificada por RJ-838 RJ-937 RJ-038

Via Agência Anda – Direitos Animais – IMG

  Fact-checking   Autentic   DMCA   Report






Mostrar mais

CMIO

Conselho de Mídia Independente - Grupo independente, de atuação jornalística; baseado em SP. Replica e elabora conhecimentos e assuntos de utilidade pública.

Artigos relacionados

Adblock Detected.

Desative seu AdBlock para poder acessar o conteúdo gratuito. Disable your AdBlock.