Alemanha aprova envio de tanques Leopard à Ucrânia; EUA se posicionam

A Alemanha anunciou planos nesta quarta-feira (25) para entregar tanques pesados ​​à Ucrânia, e os Estados Unidos estão prestes a fazer o mesmo, um avanço saudado como um impulso militar decisivo por Kiev e condenado por Moscou como um ato imprudente de provocação.

Kiev pede há meses tanques de batalha ocidentais que dariam às suas forças poder de fogo, proteção e mobilidade para romper as linhas defensivas russas e recuperar o território ocupado pelos invasores.

“Algumas centenas de tanques para nossas equipes de tanques… Isso é o que vai se tornar um verdadeiro ato da democracia”, escreveu Andriy Yermak, chefe do governo do presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy, no Telegram.

A Alemanha anunciou planos para enviar uma corporação inicial de 14 tanques Leopard 2 de seus próprios estoques e também aprovar remessas de aliados, com o objetivo de fornecer à Ucrânia dois batalhões completos. Um batalhão normalmente compreende de três a quatro corporações.

Duas fontes nos Estados Unidos disseram que Washington também forneceria dezenas de seus tanques Abrams M1.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que qualquer tanque dos EUA enviado à Ucrânia “queimaria como todo o resto”.

Vinte exércitos em todo o mundo colocam Leopards em campo, fabricados aos milhares pela Alemanha.

A Polônia e a Finlândia já prometeram enviar unidades assim que Berlim concordar, e espera-se que vários outros países sigam o exemplo rapidamente.

O Reino Unido já ofereceu uma corporação de seus Challengers e a França está considerando enviar seus Leclercs.

Mark Hertling, ex-comandante das forças terrestres dos EUA na Europa, estimou que os Leopards podem estar no campo de batalha na Ucrânia já em março, enquanto os tanques dos EUA, que precisam de mais apoio logístico, podem demorar ainda cerca oito meses.

Resposta russa

Moscou diz que o fornecimento de armamento ofensivo moderno à Ucrânia apenas prolongará a guerra e adiará o que diz ser sua vitória inevitável. Anatoly Antonov, embaixador da Rússia em Washington, afirmou que as entregas de tanques de guerra dos EUA seriam “outra provocação flagrante”.

“É óbvio que Washington está propositadamente tentando nos infligir uma derrota estratégica”, disse Antonov no canal de mensagens Telegram da embaixada.

Na semana passada, a Rússia aumentou suas ameaças, com o aliado de Putin Dmitry Medvedev dizendo abertamente que uma potência nuclear que enfrentasse a derrota poderia usar armas nucleares.

Autoridades ocidentais que apoiam o envio dos tanques rejeitaram as ameaças de Moscou como bravata, argumentando que a Rússia já está travando uma guerra a todo vapor na Ucrânia.

Matéria ampliada às 9h05

*É proibida a reprodução deste conteúdo

Veja na fonte oficial – IMG Autor